Aprendendo sobre ultrassonografia no sistema locomotor - otimização da imagem

Aprendendo sobre ultrassonografia no sistema locomotor - otimização da imagem


A otimização da imagem tem o objetivo de produzir uma imagem centralizada com clareza suficiente e a melhor resolução possível. A imagem desejada deve ocupar a maior parte da tela. As configurações devem fornecer o contraste ideal entre os tecidos que estão sendo examinados. Os rótulos e as marcações apropriados também devem ser adicionados para referência futura e para reconhecimento por observadores externos. A maioria das máquinas tem “predefinições” com configurações apropriadas já determinadas para o tipo de tecido que está sendo examinado. apesar disso, o examinador deve ter conhecimento dos vários componentes da ultrassonografia para otimizar a imagem em diferentes circunstâncias.


Orientação da imagem

A imagem deve ser orientada de forma razoavelmente consistente. Por convenção, quando uma estrutura é fotografada em um plano de eixo longo, ela é normalmente orientada de modo que o lado esquerdo da tela seja cranial e o direito da tela caudal.

Figura 1 - Ultrassonografia de uma visão de eixo longo da cabeça longa do tendão do bíceps braquial. A imagem é orientada de forma que a parte esquerda da tela seja direcionada para a cabeça.


Geralmente há menos convenção com respeito a estruturas de imagem em eixo curto. Alguns mantêm o lado esquerdo da tela como a direita anatômica e outros orientam o lado esquerdo da tela como o aspecto medial do corpo. Provavelmente, é melhor realizar a varredura ao vivo de eixo curto em uma posição que faça sentido com a orientação do paciente em relação à tela. Por exemplo, quando o transdutor se move na direção medial do corpo, ele deve se mover na mesma direção na tela.

Figura 2 - Ultrassonografia de uma vista de eixo curto do tendão do bíceps braquial mostrado na Figura 4.1. A parte esquerda da tela corresponde à parte anatômica direita (lateral) do paciente.


Centralizar a imagem com o transdutor

A imagem deve ser centralizada na tela e mantida nessa posição durante a varredura ao vivo. Esta habilidade do transdutor deve ser praticada ao iniciar a varredura. Ele é necessário para evitar que a imagem desejada saia de vista repetidamente ao digitalizar mais rapidamente.

Figura 3 - Imagens de ultrassom demonstrando a centralização adequada da imagem. A imagem em (A) mostra a estrutura de interesse (seta amarela) muito à direita na imagem. A imagem em (B) mostra o posicionamento adequado da estrutura de interesse no centro.


Selecionar a imagem do transdutor

A profundidade deve ser definida no nível que coloca o tecido desejado na maior parte da tela. Muita profundidade resulta na imagem desejada parecendo muito pequena com espaço essencialmente desperdiçado. Se a profundidade for muito baixa, a imagem desejada pode ser truncada ou pode simplesmente haver contraste insuficiente do tecido circundante para fornecer uma perspectiva adequada.

Figura 4 - Imagens de ultrassom demonstrando a configuração de profundidade inadequada e adequada e uso de zonas focais. Em (A), o cenário é muito profundo para a imagem desejada resultando em desperdício de espaço e diminuição da visualização das estruturas pertinentes. As zonas focais também são configuradas de forma inadequada, diminuindo a resolução da estrutura pretendida (tendão supraespinhal) . A imagem em (B) demonstra a configuração apropriada da profundidade e das zonas focais para otimização da imagem.


Selecionar a freqüência apropriada

As frequências mais altas são usadas para resolução de estruturas mais superficiais e frequências mais baixas são usadas para melhor penetração no tecido.

Não existem regras rígidas sobre a frequência precisa para cada profundidade específica, pois ela pode variar devido a uma série de fatores, incluindo a espessura do tecido. Uma regra geral é que a frequência mais alta que forneça penetração adequada no tecido deve ser utilizada.

Figura 5 - Imagens de ultrassom demonstrando o efeito da frequência na imagem. Em (A), a frequência é definida muito baixa (9 MHz) para a estrutura relativamente superficial (tendão supraespinhal) resultando em um artefato desnecessário. Em (B), a frequência apropriada (15 MHz) fornece uma imagem mais clara do tendão com menos artefato.


Selecionar a zona focal apropriada

A zona focal é a linha horizontal na tela que deve ser colocada no nível de maior interesse na tela. A zona focal se refere ao local onde os feixes de ultrassom convergem para fornecer o maior nível de clareza.



















Figura 6 - Ilustração que demonstra a zona focal do feixe de ultrassom. Esta é a região para onde a maioria das ondas sonoras incidentes convergem para criar o maior grau de clareza.


A falha em manter a zona focal no local adequado com a digitalização resultará em resolução diminuída no ponto desejado. Mais de uma zona focal pode ser usada se a área de interesse for maior do que o único nível horizontal; no entanto, zonas focais adicionais tendem a diminuir a taxa de quadros. A taxa de quadros se refere à velocidade em que a imagem recupera a clareza depois que o transdutor é movido. Por esse motivo, muitas zonas focais tornam a imagem mais difícil de ver quando o transdutor é movido rapidamente.


Selecionar o ganho apropriado

O ganho aumenta ou diminui o brilho da imagem. O ganho é normalmente definido para fornecer o contraste certo entre os tecidos observados. Isso geralmente é uma questão de preferência, mas devem ser evitados extremos de ganho alto ou baixo.


Selecionar o mapeamento de cinza quando necessário

O mapeamento da escala de cinza pode ser utilizado para fornecer a cor desejada à imagem. Freqüentemente, trata-se apenas de uma preferência pessoal, mas deve ser usado o mapeamento que forneça o contraste ideal entre os tecidos de interesse.


Minimizar o artefato anisotrópico

Esse artefato ocorre quando as ondas sonoras incidentes não são ortogonais às estruturas desejadas, resultando em menos retorno das ondas ao transdutor e consequente diminuição da clareza da imagem.

Figura 7 - Imagens de ultrassom demonstrando o efeito da anisotropia no tendão do bíceps braquial em eixo curto. Na imagem (A), o feixe incidente tem um ângulo de incidência maior que 0 °, ou menor que perpendicular em relação ao tendão (seta amarela). A intensidade de sinal mais hiperecóica (mais brilhante) do tendão quando o feixe incidente é colocado em uma posição perpendicular em relação ao tendão em (B).


Adicionar as etiquetas apropriadas

As etiquetas devem identificar prontamente as estruturas que estão sendo avaliadas na foto e incluir a orientação e o lado do corpo. Em imagens de comparação lado a lado, geralmente é apropriado esclarecer o lado sintomático. Setas para indicar áreas específicas de atenção e ferramentas de medição também devem ser colocadas quando necessário. As etiquetas devem ser de fácil leitura e posicionadas em local que não impeça a visualização da imagem desejada ).


#fisiatria #medicinaesportiva #ultrassom #procedimentoguiadoparador #dor


Referência bibliográfica:

Strakowski, JA. Introduction to Musculoskeletal Ultrasound - Getting Started. Demos Medical, New York, 2016.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fitoterapia - Gui Pi Wan

Fitoterapia - Gui Pi Wan (归脾丸) O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DESEJÁVEL ANT

Fitoterapia - Gui Fu Di Huang Wan

Fitoterapia - Gui Fu Di Huang Wan (桂附地黄丸) O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DE

Fitoterapia - Gu Ben Wan

Fitoterapia - Gu Ben Wan (固本丸) O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DESEJÁVEL ANT