Verbena


O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DESEJÁVEL ANTES DE SE UTILIZAR AS PLANTAS MEDICINAIS.


A verbena é uma planta herbácea nativa do sul da Europa, embora esteja distribuída por quase todo o mundo. Cresce em estradas e em terrenos úmidos. Pode atingir 1 metro de altura em seu habitat natural. Suas pequenas flores variam do branco ao roxo claro. São precisamente essas flores que são úteis na fitoterapia. Seus efeitos são principalmente antitússicos e anti-inflamatórios, principalmente para aliviar problemas respiratórios.


Nome científico: Verbena officinalis.

Nomes comuns: algebrado, aljabão, argebão, erva-dos-leprosos, erva-sagrada, gerbão, gerivão, gervão, gervião, girbão, giribão, jarvão, ulgebrão, urgrabrão, verbena.

Parte da planta utilizada: flores.

Composição: flavonóides, iridóides, óleo essencial.

Ação farmacológica: antitússico, anti-inflamatório, analgésico.

Indicações: faringite, tosse, bronquite.

Contraindicações: hipotireoidismo.

Advertências: evitar o uso durante a gravidez e lactação.


Como usar: ferva um copo de água e adicione uma colher de chá da planta. Deixe em infusão por 10 minutos. Tome 3 xícaras por dia. Você também pode gargarejar com o líquido, deixando-o esfriar até a temperatura ambiente.


Um estudo sugere que a verbena pode auxiliar no tratamento de pacientes com gengivite crônica generalizada.


#fitoterapia #verbena #medicinatradicional #medicinaintegrativa #saudeintegrativa #plantasmedicinais

Referência bibliográfica:

López PM. Manual práctico de fitoterapia. Descripción de las plantas medicinales y preparación de remédios naturales. Guíasprácticas Nº 4. Plantasmedicinales.net, 2017

Grawish ME, Anees MM, Elsabaa HM, Abdel-Raziq MS, Zedan W. Short-term effects of Verbena officinalis Linn decoction on patients suffering from chronic generalized gingivitis: Double-blind randomized controlled multicenter clinical trial. Quintessence Int . 2016;47(6):491-8. doi: 10.3290/j.qi.a35521.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo