Resultados da reabilitação pós AVC

Os resultados após o AVC podem ser avaliados de várias maneiras, incluindo morbidade médica, mortalidade, nível de comprometimento, tempo de internação hospitalar, custo do atendimento, limitações funcionais, colocação no momento da alta e acompanhamento, quantidade de deficiência ou funcionamento social, qualidade de vida e satisfação com a vida. Os resultados funcionais podem ser medidos como nível funcional absoluto no momento da alta ou então como a quantidade de mudança ou melhora nas habilidades funcionais entre a admissão/início e a alta / acompanhamento. Diferentes conclusões podem ser alcançadas dependendo das definições específicas usadas. No entanto, alguns princípios gerais emergem com alguma consistência.


Resultados Funcionais e Sociais

Um dos aspectos mais impressionantes do cuidado de pacientes com AVC é a observação comum de que seu desempenho físico, habilidades funcionais e qualidade de vida são consideravelmente melhores após a reabilitação e durante o tratamento de longo prazo do que imediatamente após o AVC. Uma proporção substancial de sobreviventes de AVC alcança independência em sua capacidade de completar habilidades de mobilidade e autocuidado, mas que os resultados sociais e vocacionais não são tão favoráveis quanto o funcional.


Preditores de resultado

Vários fatores podem influenciar o resultado específico de um paciente individual que está envolvido em um programa de reabilitação de AVC. Fatores potencialmente importantes incluem o seguinte:

• Tipo, distribuição, padrão e gravidade da deficiência física

• Capacidade cognitiva, de linguagem, comunicação e aprendizagem

• Número, tipos e gravidade de condições médicas associadas e funções de saúde contínuas

• Capacidade de enfrentamento e estilo de enfrentamento

• Natureza e grau de família e outros suportes sociais

• Tipo e qualidade do programa de treinamento de reabilitação específico

O preditor mais forte e mais consistente de capacidade funcional de alta é a capacidade funcional de admissão. Os preditores mais fortes de resultados adversos são coma no início, incontinência persistente, função cognitiva deficiente, hemiplegia grave, falta de retorno da função motora após 1 mês, acidente vascular cerebral prévio, déficit perceptivo visuoespacial, hemoglobina unilateral, doença cardiovascular significativa, grande lesão cerebral e presença de múltiplos déficits neurológicos. Os melhores preditores de função após 6 meses foram equilíbrio sentado, idade, hemianopsia, incontinência urinária e déficit motor no braço.


Referências bibliográficas:

  1. Cifu, D. Braddom's Physical Medicine and Rehabilitation. 6th edition. Elsevier, 2020

  2. Horita, S.A. Reabilitação no AVC. In: Greve, J.M.D. Tratado de medicina de reabilitação. 1ª edição. Roca, 2007

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo