Síndrome dolorosa miofascial - Perspectiva histórica


Síndrome dolorosa miofascial - Perspectiva histórica


Um dos primeiros a descrever detalhes em relação à dor muscular foi o francês Guillaume de Baillous entre os séculos XVI e XVII. Em 1816, o médico britânico Balfour associou "espessamentos" e "tumores nodulares" nos músculos à dor muscular local e regional. Em 1904, Gowers sugeriu que a inflamação do tecido fibroso ("fibrosite") criou os nódulos duros. No entanto, o termo fibrosite tornou-se desacreditado, pois os dados da biópsia não comprovaram uma patologia inflamatória. Em 1919, Schade considerou que os nódulos musculares eram colóides musculares de alta viscosidade e deu o nome a eles de "miogeloses".

Em meados do século XX, um trabalho importante foi conduzido independentemente por Michael Gutstein na Alemanha, Michael Kelly na Austrália e J.H. Kellgren na Grã-Bretanha. Ao injetar solução salina hipertônica em várias estruturas anatômicas, como fáscia, tendão e músculo, em voluntários saudáveis, Kellgren foi capaz de mapear zonas de dor referida em tecidos vizinhos e distantes. Entre outros, seu trabalho influenciou a médica fisiatra norte-americana Janet Travell, cujo trabalho sobre dor miofascial, disfunção e pontos de gatilho é sem dúvida o mais abrangente até o momento. Travell e Rinzler cunharam o termo "ponto de gatilho miofascial" na década de 1950, refletindo a descoberta de que os nódulos podem estar presentes e podem referir dor ao músculo e à fáscia sobreposta. O livro de dois volumes, Miofascial Pain and Disfunction: The Trigger Point Manual, que foi co-autor de seu colega David Simons, representa décadas de intensa observação e estudo da dor miofascial.

O manual, juntamente com mais de 40 artigos publicados por Travell sobre o assunto, foi e continua sendo fundamental para definir e popularizar o diagnóstico e o tratamento da dor miofascial na comunidade de saúde, especialmente entre médicos fisiatras, médicos especialistas em dor, fisioterapeutas, osteopatas, quiropatas, dentistas e terapeutas manuais.

Entre as várias especialidades médicas alopáticas, os médicos fisiatras atualmente têm o entendimento de trabalho mais abrangente sobre os pontos gatilhos miofasciais. Isso ocorre, em parte, porque os fisiatras vêem a síndrome dolorosa miofascial e os pontos gatilhos miofasciais como relacionadas à disfunção muscular e musculoesquelética.

É importante ressaltar que a síndrome dolorosa miofascial se distingue de outros distúrbios da dor dos tecidos moles, como fibromialgia, tendinite ou bursite.

A síndrome dolorosa miofascial pode ser regional e generalizada, às vezes com dor referida, geralmente acompanhada por aumento da tensão e diminuição da flexibilidade. Ela pode estar ocorrer simultaneamente com outras doenças e síndromes associadas à dor, por exemplo, doenças reumáticas e fibromialgia. Além disso, ela também foi associada a outras condições de dor, incluindo radiculopatias, disfunção articular, patologia do disco, tendinite, disfunção craniomandibular, enxaquecas, dores de cabeça do tipo tensional, síndrome do túnel do carpo, distúrbios relacionados ao computador, distúrbios associados ao chicote, disfunção espinhal, dor pélvica e outros síndromes urológicas, neuralgia pós-herpética e síndrome complexa da dor regional.


#dormiofascial #infiltração #pontogatilhomiofascial #agulhamentoseco #agulhamento #dryneedling


Referências bibliográficas:

Shah JP, Thaker N, Heimur J, Aredo JV, Sikdar S, Gerber, L. Myofascial Trigger Points Then and Now: A Historical and Scientific Perspective. PM&R 2015, 7(7), 746-761. doi.org/10.1016/j.pmrj.2015.01.024

13 visualizações

Todos os Direitos Reservados ©2019 by medicofisiatra.com.br. Para uso de algum dos conteúdos entrar em contato conosco.