top of page

Uso de pontos de referência anatômicos para o agulhamento


Como localizar e contar as costelas

As costelas são melhor contadas para baixo a partir da segunda costela, cuja cartilagem costal está nivelada com o ângulo esternal palpável.

Para localizar a extremidade livre da décima primeira costela, coloque toda a mão na parte superior do abdome e, com uma leve pressão dos dedos, palpe para baixo ao longo do rebordo costal, até que a extremidade da costela esteja localizada logo acima do nível do umbigo. Manter contato com a mão inteira ajudará a reduzir a hipersensibilidade. Para localizar a extremidade livre da décima segunda costela, continue a palpar ao longo da margem inferior da caixa torácica até que a extremidade livre seja palpada na região lombar lateral.


Como localizar C7

Passe o dedo pelo pescoço ao longo da linha média. O primeiro processo espinhoso vertebral palpável é o de C6; se o sujeito estende o pescoço, esse processo se torna impalpável.

A próxima vértebra para baixo é C7, que é muito mais facilmente palpável e permanece palpável na extensão do pescoço. Peça ao sujeito para se apoiar nos cotovelos e girar o pescoço de um lado para o outro. Esta vértebra será sentida para girar ligeiramente. T1, que é a vértebra mais proeminente na base do pescoço, não será sentida se movendo na rotação do pescoço. As vértebras de T1 a aproximadamente T9 são contadas para baixo a partir de C7.


Como localizar L3 e L5

Coloque as mãos nas laterais da pelve e sinta o ponto mais alto das cristas ilíacas. Descansando as extremidades dos dedos indicadores imediatamente acima dos pontos mais altos das cristas ilíacas, estenda os polegares medialmente para se encontrarem na linha média diretamente no nível e entre as extremidades dos dedos indicadores. As pontas dos polegares se encontrarão aqui no nível do espaço entre os pontos altos dos processos espinhosos das vértebras L3 e L4.

Para localizar a junção lombo-sacral (inferior a L5) conte dois espaços intervertebrais abaixo da borda inferior de L3. Alternativamente, passe o dedo pela parte de trás do sacro até o primeiro espaço intervertebral palpável. A junção lombo-sacral é geralmente sentida como uma depressão pronunciada.

Para facilitar a localização dos pontos da região lombo-sacral, é útil colocar um travesseiro sob o abdome inferior do sujeito. Isso servirá para abrir os espaços intervertebrais e é mais confortável para o sujeito.

Observe que, em alguns indivíduos, a primeira vértebra sacral torna-se '"lombarizada", ou seja, separa-se do resto do sacro e, portanto, é palpável como uma vértebra lombar adicional. Em outros casos, a quinta vértebra lombar torna-se 'sacralizada', ou seja, funde-se com o resto do sacro.

As vértebras de L4 a T10 são geralmente contadas a partir de L5.


Como localizar o forame sacral

Os forames sacrais nem sempre são fáceis de localizar. Existem, no entanto, algumas orientações úteis

Primeiro localize a junção lombo-sacral e o hiato sacro-coccígeo na linha média. Divida esta linha em cinco espaços iguais usando as quatro pontas dos dedos de uma mão. Cada ponta do dedo deve então repousar em um dos quatro processos espinhosos sacrais que às vezes são palpáveis. Os forames situam-se lateralmente aos processos, no mesmo nível e a aproximadamente metade da distância (ou seja, 0,75 cun) entre a linha média e a linha do ponto shu posterior da bexiga. Observe que a linha do forame sacral corre ligeiramente em direção à linha média à medida que desce. Observe também que os forames podem ser palpáveis ​​em alguns indivíduos, e que a pressão aplicada a eles pode induzir uma sensação de deqi (leve formigamento, etc.).

O segundo forame sacral situa-se aproximadamente no ponto médio de uma linha traçada entre a espinha ilíaca póstero-superior e o hiato sacrococcígeo.


A linha interna do ponto Shu da Bexiga

Todos os pontos Shu dorsais são definidos como estando 1,5 cun lateral à linha média. Na prática, no entanto, eles estão localizados na linha que corre ao longo dos pontos mais altos dos músculos paravertebrais. Sua distância real da coluna, portanto, varia um pouco, sendo mais curta nas regiões torácica superior, lombar e sacral inferior e mais longa na região médio-torácica.


Como localizar o ângulo esternocostal

Muitos dos pontos do abdome superior estão localizados usando o ângulo esternocostal (junção xifo-esternal) como ponto de referência. Para localizar o ângulo esternocostal, passe o dedo indicador para cima ao longo da margem inferior da caixa torácica até a depressão imediatamente abaixo da parte óssea sólida do esterno. É aqui que o processo xifóide cartilaginoso encontra o esterno ósseo. O processo xifóide pode variar substancialmente em tamanho e pode ser visível e palpável, ou invisível e impalpável. Em indivíduos mais velhos, o xifóide pode calcificar e, portanto, é importante não confundir o nível inferior do esterno com o nível inferior do processo xifóide.


Como localizar os pontos do canal do baço e do estômago no abdome inferior

Abaixo do nível do umbigo, a borda lateral do músculo reto do abdome curva-se gradualmente medialmente em direção à sínfise púbica. Na localização dos pontos do canal do baço e do estômago abaixo do nível do umbigo, a linha de 4 cun (canal do Baço) é medida da linha média até a borda lateral do músculo reto abdominal ao nível do umbigo (Daheng BP15) , e a linha de 2 cun (canal do estômago) é medida como metade dessa distância

.

Palmar longo

Este tendão está ausente em um ou ambos os braços em aproximadamente 20% dos indivíduos. Na ausência do tendão do palmar longo, localize os pontos do canal do pericárdio no lado ulnar do tendão do flexor radial do carpo.


Referências bibliográficas:

  1. Deadman P, Al-Khafaji M, Baker K. A Manual of Acupuncture. Journal of Chinese Medicine 1998. ISBN: 0951054678

  2. Focks, C. Guia prático de acupuntura: localização de pontos e técnicas de punção. Barueri, SP: Manole, 2008

  3. Yamamura, Y. Acupuntura tradicional - A Arte de Inserir. 2ª ed. São Paulo, SP: Roca, 2004

Posts recentes

Ver tudo

Opmerkingen


bottom of page