Rooibos


O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DESEJÁVEL ANTES DE SE UTILIZAR AS PLANTAS MEDICINAIS.


O rooibos é uma árvore nativa da África do Sul, cujas folhas são usadas como substituto do chá, pois não contêm cafeína. A ele são atribuídas propriedades antioxidantes, embora um pouco menores que as do chá, e que diminuem com a fermentação. Existe uma variedade de rooibos verdes, não fermentados, mais difíceis de obter e caros. Seu uso atualmente é difundido no mundo todo, podendo ser encontrado associado a outras plantas, como a canela, que confere um sabor mais agradável à mistura.


Nome científico: Aspalathus linearis.

Nomes comuns: rooibos, chá vermelho, chá de rooibos.

Parte da planta utilizada: folhas.

Composição: ácido ascórbico, quercetol, fenol, minerais.

Ação farmacológica: anti-histamínico, antioxidante, sedativo.

Indicações: alergia, asma, insônia, envelhecimento.

Contraindicações: alergia a algum dos seus componentes.


Modo de usar: ferva 1/4 litro de água e adicione 2 colheres de chá de rooibos. Deixe a infusão por 10 minutos. Tome 2-3 xícaras por dia.


Alguns estudos sugereme que o rooibos podem auxiliar na melhora do perfil glicêmico e na dislipidemia em pacientes com síndrome metabólica.


#fitoterapia #rooibos #chávermelho #medicinatradicional #medicinaintegrativa #saudeintegrativa #plantasmedicinais

Referências bibliográficas:

  1. Johnson R, Beer D, Dludla PV, Ferreira D, Muller CJF, Joubert E. Aspalathin from Rooibos (Aspalathus linearis): A Bioactive C-glucosyl Dihydrochalcone with Potential to Target the Metabolic Syndrome. Planta Med. 2018 Jul;84(9-10):568-583. doi: 10.1055/s-0044-100622. Epub 2018 Jan 31.

  2. López PM. Manual práctico de fitoterapia. Descripción de las plantas medicinales y preparación de remédios naturales. Guíasprácticas Nº 4. Plantasmedicinales.net, 2017

  3. Smith C , Swart A . Aspalathus linearis (Rooibos) - a functional food targeting cardiovascular disease. Food Funct. 2018 Oct 17;9(10):5041-5058. doi: 10.1039/c8fo01010b.


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo