top of page

Pontos gatilhos miofasciais - sistema estomatognático


Pontos gatilhos miofasciais - sistema estomatognático

Os distúrbios do sistema estomatognático são atribuídos ao termo abrangente de disfunção craniomandibular (DMC). O sistema estomatognático representa um sistema extremamente complexo e envolve a articulação temporomandibular, os dentes e os músculos da mastigação, sendo influenciado e controlado pelo circuito regulador neuromuscular.

Distúrbios em uma parte do sistema freqüentemente afetam um ou mais músculos envolvidos nos movimentos da mastigação. Uma alteração patológica na área da mandíbula significa uma situação alterada para os músculos da mastigação, que podem, como resultado, estar sujeitos a processos de adaptação dolorosos. Por outro lado, no entanto, a patologia muscular também pode levar, por exemplo, à artropatia das articulações mandibulares como resultado de uma parafunção como o bruxismo (ranger os dentes). A mordida do paciente pode, portanto, ter uma função causal e também pode sofrer uma alteração causada pela interação alterada entre as articulações e os músculos, que se manifesta como um distúrbio de oclusão do ponto de vista dentário.

Portanto, é importante para o terapeuta obter uma visão geral da condição de todo o sistema estomatognático, a fim de fornecer terapia, se necessário, para os fatores causais, bem como tratar os componentes musculares, se necessário em cooperação com outras disciplinas.

As alterações musculares causadas pela parafunção são predominantemente encontradas na área dos grandes músculos que fecham a mandíbula, conforme descrito a seguir.

O músculo temporal é mais afetado no segmento anterior e medial, enquanto o músculo masseter é afetado em todas as partes do músculo desde a origem até a inserção. Esses músculos são mais facilmente acessíveis à palpação extraoral e representam o primeiro indicador.

O músculo pterigoideo medial é encontrado dentro da boca e forma uma alça de músculo com o

músculo masseter.

Outros músculos freqüentemente afetados são o pterigoideo lateral, que é ativo na laterotrusão e as partes posterior e anterior do digástrico e o milo-hioideo, que pertencem aos músculos do assoalho da boca e são músculos acessórios da mastigação.

Após o exame médico, a primeira dúvida do paciente é frequentemente sobre a causa dos problemas. Tanto os achados clínicos quanto a história são de grande importância para esclarecer essa questão.

As chamadas parafunções, como ranger os dentes e morder com força excessiva, podem ter causas bastante simples. Uma alteração na mordida pode ser o resultado de um implante dentário recém colocado. A colocação de um implante dentário sempre pressupõe que o paciente seja capaz de se ajustar até certo ponto. Essa capacidade de ajuste pode ser significativamente reduzida por fatores de estresse, fatores psicológicos ou dor crônica. No entanto, também pode acontecer porque o paciente pode ter DMC há anos e até agora isso foi compensado por outros sistemas do corpo.

Assim que um estímulo adicional surte efeito no circuito regulador estomatognático, causado pelo dentista ou mesmo por um evento traumático, toda a estrutura se descompensa. Entretanto, se a ocorrência dos sintomas e o estímulo externo (intervenção odontológica) estiverem intimamente ligados no tempo, essa causa presumida pode fazer com que a causa real seja desconsiderada. Ambos os fatores físicos e psicológicos podem ser a razão subjacente para a doença no sistema CMD.

Dentre os fatores físicos, destaca-se a interação entre a postura e a posição da mandíbula. Existem evidências científicas dessa dependência, por isso, se houver suspeita de conexão, é necessária a cooperação interdisciplinar com os dentistas, otorrinolaringologistas, ortopedistas, fisiatras e fisioterapeutas.

Se houver suspeita de doença psicológica ou distúrbio psicossomático, devemos buscar a cooperação com psicólogos ou psiquiatras.

Não se deve deixar de enfatizar que, devido à complexidade da mastigação e à interação sempre presente com a psique de uma pessoa, somente uma abordagem interdisciplinar proporcionará uma cura bem-sucedida, baseada não apenas nos sintomas, mas também na causa; isso deve ser levado em consideração na prática.


Visão geral dos músculos

A visão geral a seguir mostra a importância dos músculos individuais da mastigação nos movimentos da mandíbula e as restrições a que eles podem levar.

Análise clínica e funcional do sistema estomatognático

O exame físico do sistema craniomandibular inclui essencialmente uma análise da mordida, palpação dos músculos individuais da mastigação e das articulações mandibulares, bem como uma avaliação dos movimentos das articulações mandibulares em três planos (por exemplo, abertura da boca). Este exame também é descrito como uma análise funcional clínica.

A anamnese se inicia com as queixas relacionadas com os dentes. Informações sobre a localização da dor, os componentes miogenéticos, os componentes artrógenos, e os fatores oclusais devem ser investigados.

Os objetivos do exame físico do sistema estomatognático incluem a elaboração de um diagnóstico clínico e funcional, a identificação de fatores associados, verificação da necessidade de cooperação interdisciplinar, e a observar a necessidade de exames diagnósticos adicionais, como os de imagem das articulações mandibulares.

A análise da função deve ser repetida após a conclusão de cada sessão terapêutica. Os acompanhamentos podem ser realizados durante a terapia usando escalas visuais analógicas, medição da mobilidade da mandíbula e palpação dos pontos gatilhos miofasciais.

Na maioria dos casos, a análise clínica e funcional produz o diagnóstico e as medidas terapêuticas pertinentes. Se os achados e a maneira como o paciente se sente não coincidem, ou o paciente demonstra sinais de um distúrbio de dor psicossomática (por exemplo, repetidas intervenções malsucedidas, etc.), devemos suspeitar de uma síndrome de dor orofacial crônica ou de uma dor facial atípica.


Referências bibliográficas:

  1. Hammi C, Schroeder JD, Yeung B. Trigger Point Injection. [Updated 2022 Nov 25]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2023 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK542196/

  2. Irnich D. Myofascial Trigger Points. Comprehensive diagnosis and treatment. Churchill Livingstone. 2013

  3. Urits, I., Charipova, K., Gress, K., Schaaf, A. L., Gupta, S., Kiernan, H. C., … Viswanath, O. (2020). Treatment and Management of Myofascial Pain Syndrome. Best Practice & Research Clinical Anaesthesiology. doi:10.1016/j.bpa.2020.08.003

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page