Mamona


O INTUITO DA POSTAGEM É EDUCACIONAL E SE BASEIA NOS CONHECIMENTOS DA MEDICINA TRADICIONAL. A AUTO-MEDICAÇÃO DEVE SER EVITADA E A AVALIAÇÃO MÉDICA É DESEJÁVEL ANTES DE SE UTILIZAR AS PLANTAS MEDICINAIS.


A mamona é um arbusto que cresce como "erva daninha" nas margens de estradas e terrenos baldios. Até pouco tempo atrás, o óleo de rícino era tão popular quanto o óleo de fígado de bacalhau. Não faltava nas casas uma garrafa com este óleo, que era dado às crianças quando tinham indigestão ou prisão de ventre aguda. Com a chegada massiva dos produtos farmacêuticos, aos poucos deixou de ser usado em favor destes. Atualmente é encontrado em inúmeros cosméticos, que utilizam o óleo extraído das sementes de mamona.


Nome científico: Ricinus communis.

Nomes comuns: mamona, rícino, carrapateira, bafureira, baga e palma-criste.

Parte da planta utilizada: sementes.

Composição: ácido ricilônico, ricina, proteínas, minerais.

Ação farmacológica: purgativa, desintoxicante, hidratante, antifúngica, anti-inflamatória.

Indicações: onicomicose, indigestão, intoxicação, pele seca, alopecia.

Contraindicações: alergia a algum dos seus componentes.


Modo de emprego:

Uso interno: compre apenas óleo de rícino de farmácia e siga as instruções. É útil para indigestão ou intoxicação alimentar em que é necessária uma evacuação completa e rápida.

Uso externo: é praticamente relegado à cosmética natural, como alongador de cílios, fortalecedor de unhas, clareador capilar e como carreador de óleos essenciais.


Um estudo sugere que a mamona pode auxiliar no tratamento da estomatite dentária em idosos institucionalizados.


#fitoterapia #mamona #medicinatradicional #medicinaintegrativa #saudeintegrativa #plantasmedicinais

Referências bibliográficas:

  1. López PM. Manual práctico de fitoterapia. Descripción de las plantas medicinales y preparación de remédios naturales. Guíasprácticas Nº 4. Plantasmedicinales.net, 2017

  2. Pinelli LA, Montandon AA, Corbi SC, Moraes TA, Fais LM. Ricinus communis treatment of denture stomatitis in institutionalised elderly. J Oral Rehabil. 2013 May;40(5):375-80. doi: 10.1111/joor.12039. Epub 2013 Feb 26.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo