Espasticidade no AVC


A espasticidade é definida como um distúrbio motor caracterizado por um aumento dependente da velocidade nos reflexos tônicos de estiramento e pode contribuir para o comprometimento motor, dor e incapacidade após o AVC.

Na maioria dos casos, a espasticidade pode ser tratada com exercícios terapêuticos ou por tratamento focal com toxina botulínica ou injeções de fenol. A espasticidade severa, entretanto, pode ser muito incapacitante e difícil de tratar. Os vários métodos de tratamento da espasticidade podem ser usados de acordo com a necessidade clínica e a probabilidade de sucesso para atingir objetivos funcionais específicos. Consequentemente, a seleção do tratamento para espasticidade com base em uma sequência predefinida de terapia geralmente não é mais praticada.

Fundamental para o tratamento da espasticidade em pacientes com AVC é a educação sobre os benefícios e a necessidade do alongamento diário, especialmente do ombro, punho, dedos, quadril e tornozelos. Isso é necessário para reduzir o tônus dinâmico e em repouso e evitar a contratura dos tecidos moles. O uso de talas de repouso estáticas para mão e tornozelo pode ajudar a prevenir contraturas e reduzir o tônus, mas se a espasticidade for severa, a imobilização pode resultar em dor e rompimento da pele sob a órtese. Isso pode ser particularmente problemático em uma órtese suropodálica se o tônus da flexão plantar for intenso.

A injeção focal de toxina botulínica é a principal forma de tratamento da espasticidade localizada do membro porque é fácil de usar, tem um efeito dependente da dose repetível e tem um perfil de baixo efeito colateral. Um painel de consenso e uma revisão baseada em evidências têm ambos concluíram que a toxina botulínica pode reduzir a hipertonia em pacientes com espasticidade e é recomendada para o tratamento da distonia focal.

A localização do músculo pode ser obtida usando estimulação com agulha, eletromiografia ou ultrassom. Nenhuma técnica de injeção específica (diluições em vários volumes ou direcionamento do ponto motor) se mostrou superior para atingir os objetivos do tratamento. A toxina botulínica é geralmente preferida em relação aos agentes anti-espásticos orais porque os agentes orais costumam causar letargia e déficits cognitivos, mesmo em doses abaixo daquelas consideradas terapêuticas. Ainda assim, em casos de espasticidade generalizada, o uso de agentes orais em combinação com injeções locais pode fornecer a melhor resposta terapêutica.

Baclofeno intratecal administrado por bomba de infusão implantada fornece excelente controle da espasticidade dos membros inferiores em pacientes com AVC e foi relatado que melhora a marcha funcional em alguns casos. A espasticidade dos membros superiores é menos responsiva à terapia com baclofeno intratecal do que a espasticidade dos membros inferiores.


Referências bibliográficas:

  1. Cifu, D. Braddom's Physical Medicine and Rehabilitation. 6th edition. Elsevier, 2020

  2. Doussoulin, A., Rivas, C., Bacco, J., Sepúlveda, P., Carvallo, G., Gajardo, C., … Rivas, R. (2020). Prevalence of Spasticity and Postural Patterns in the Upper Extremity Post Stroke. Journal of Stroke and Cerebrovascular Diseases, 29(11), 105253.

  3. Horita, S.A. Reabilitação no AVC. In: Greve, J.M.D. Tratado de medicina de reabilitação. 1ª edição. Roca, 2007

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo