Considerações especiais do AVC em grupos etários específicos


AVC infantil

Frequentemente, presume-se que as crianças com AVC se recuperam significativamente melhor do que os adultos, porque a plasticidade do sistema nervoso central é muito mais favorável em grupos de idade pediátrica. Após a primeira infância (> 3 anos), no entanto, a recuperação neurológica pode ser mais típica daquela observada em adultos com AVC. É verdade, no entanto, que as crianças são muito adaptativas e frequentemente apresentam excelente recuperação funcional, apesar de deficiências neurológicas persistentes. Os objetivos terapêuticos diferem nas crianças e incluem atividades como brincadeiras e recreação, participação na escola e socialização. Além da recuperação do AVC, crianças com doença cerebrovascular geralmente têm outras preocupações que requerem tratamento médico ou cirurgia, como convulsões, hemofilia, doença falciforme e doença de moyamoya.

As abordagens de reabilitação para crianças com AVC geralmente refletem as técnicas aplicadas a pacientes com hemiplegia espástica decorrente de paralisia cerebral. Os princípios da técnica de neurodesenvolvimento são frequentemente úteis. A TCIm pode ser aplicada a crianças com hemiplegia por lesão cerebral adquirida, com algum sucesso, aumentando o uso funcional do membro superior afetado e apresentam melhora na qualidade do movimento. As crianças aceitarão uma restrição aplicada à sua mão não afetada se forem encorajadas e receberem recompensas concretas.

Crianças com AVC geralmente alcançam boa mobilidade funcional e autocuidado na idade adulta, e a maioria deambula independentemente, sem um dispositivo. A maioria das pessoas com AVC na infância que apresentam deficiências motoras no início do AVC, entretanto, apresentarão alguma hemiplegia residual ou outro déficit motor. Muitos terão sucesso na escola, mas pode exigir educação especial no processo. Infelizmente, muitos não conseguem alcançar a independência financeira depois da escola, e a maioria permanece na faixa moderadamente baixa para comunicação, habilidades de vida diária e socialização. O início do AVC antes dos 3 anos, o comprometimento cognitivo no início e uma história de convulsões predizem um pior resultado funcional na idade adulta.


AVC em jovens adultos

Os adultos jovens tendem a apresentar necessidades únicas de reabilitação e problemas de longo prazo. Para atender a essas necessidades específicas do paciente, as intervenções de reabilitação devem ser direcionadas para a realização de objetivos específicos. Dependendo da situação específica, as intervenções de terapia funcional devem incluir o treinamento em atividades instrumentais complexas da vida diária, como fazer compras, cuidar do lar, mobilidade no nível da comunidade, cuidados infantis e cuidados com pais idosos. A comunicação e o treinamento cognitivo devem se concentrar nas habilidades de gestão de dinheiro e nas atividades vocacionais. O aconselhamento psicológico do paciente e da família deve ser instituído para abordar algumas das questões que são específicas da idade do paciente, como autoimagem, relações interpessoais, namoro, sexualidade e controle do estresse. A educação do paciente e da família deve fornecer informações sobre AVC, medicamentos, nutrição, estilo de vida saudável e medidas de prevenção. A avaliação e reabilitação da direção são importantes, assim como a avaliação vocacional, aconselhamento, treinamento e encaminhamentos. Programas recreativos e sociais, treinamento aeróbico ou grupos de exercícios físicos e treinamento de reentrada na comunidade aumentam a qualidade de vida de jovens com AVC. A reabilitação agressiva e cuidados continuados por profissionais especializados que podem reconhecer, compreender e abordar aspectos físicos e psicossociais específicos considerações em pacientes jovens com AVC podem facilitar a obtenção de resultados ideais nesses pacientes e melhorar sua qualidade de vida.


AVC em idosos

O efeito da idade na recuperação após o AVC é variável e controverso. Verificou-se que a idade jovem no início do AVC tem um efeito favorável na sobrevida do AVC em longo e curto prazo, mas o efeito na recuperação funcional é menos certo. Os adultos mais jovens tendem a ter níveis de deficiência menos graves na apresentação do que os adultos mais velhos. Foi sugerido que o efeito adverso do aumento da idade no resultado funcional é explicado apenas por comorbidades e frequência de AVC prévio.

A idade por si só provavelmente não desempenha um papel importante na determinação do curso e no cuidado do paciente com AVC. É mais provável que o avanço da idade sirva como um marcador para a presença de comorbidades médicas, episódios de AVC anteriores e suporte social limitado. A experiência clínica indica que muitos idosos concluem com sucesso a reabilitação, voltam para suas casas e para a comunidade e contribuem com suas famílias e a sociedade. A frequência de múltiplas deficiências físicas e problemas psicossociais, no entanto, é maior entre pacientes mais velhos com AVC do que entre indivíduos mais jovens, e isso provavelmente afeta o desfecho. Como consequência, os adultos mais velhos geralmente requerem mais monitoramento médico, tempos de recuperação mais longos, intensidades de exercícios reduzidas e mais apoio psicossocial durante o programa de reabilitação do que os adultos mais jovens.


Referências bibliográficas:

  1. Cifu, D. Braddom's Physical Medicine and Rehabilitation. 6th edition. Elsevier, 2020

  2. Horita, S.A. Reabilitação no AVC. In: Greve, J.M.D. Tratado de medicina de reabilitação. 1ª edição. Roca, 2007

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo