Aprendendo sobre ultrassonografia no sistema locomotor - imagens de corpos estranhos

Aprendendo sobre ultrassonografia no sistema locomotor - imagens de corpos estranhos


A identificação e remoção de corpos estranhos pode ser extremamente desafiadora em algumas circunstâncias. A radiografia simples tem sido tradicionalmente a modalidade de imagem de escolha para a maioria dos corpos estranhos. Os corpos estranhos que não são radiopacos não são visualizados por esses métodos e, nestes casos, a ultrassonografia é uma excelente modalidade para identificação de corpos estranhos, pois possui alta resolução e pode ser freqüentemente usado para identificar a natureza do corpo estranho pela ecotextura e artefato circundante. Também é excelente para identificar o efeito do corpo estranho no tecido circundante. A ultrassonografia também é a modalidade de imagem ideal para orientação dinâmica para a remoção do corpo estranho. Identificar o tamanho e a relação com outro tecido pode fornecer informações úteis antes da remoção. A localização precisa ajuda a minimizar qualquer exploração cirúrgica ou melhorar a abordagem para a remoção percutânea (Figura 1).

Figura 1 - Ultrassonografia demonstrando um exemplo de localização precisa de um corpo estranho (setas amarelas) superficialmente ao tendão flexor profundo dos dedos. A medição linear é usada para fornecer uma distância precisa da porção média da articulação interfalangiana proximal.


A maioria dos corpos estranhos são hiperecóicos com um anel hipoecóico de tecido reativo ao seu redor (Figura 2).

Figura 2 - Ultrassonografia demonstrando um corpo estranho relativamente hiperecoico (seta amarela) com um anel anecóico de fluido reativo ao seu redor (seta azul).


O artefato de reverberação é típico de corpos estranhos e ajuda na detecção (Figura 3).

Figura 3 - Imagem de ultrassom demonstrando artefato de reverberação (setas azuis) profundamente ao artefato de metal (seta amarela). O artefato de reverberação ocorre quando as ondas sonoras refletem entre duas interfaces com impedância muito alta, como corpos estranhos.


O artefato posterior tende a se tornar maior e mais irregular com corpos estranhos maiores. A detecção de inflamação ou infecção circundante também fornece informações valiosas para a abordagem clínica (Figura 4).

Figura 4 - Ultrassonografia demonstrando reação inflamatória significativa com sinal doppler aumentado ao redor de corpo estranho (seta amarela).


Metal, madeira e vidro são alguns dos corpos estranhos mais comumente encontrados e têm algumas características distintas.


Metal

O metal parece hiperecóico e tende a ter o artefato de maior reverberação dos corpos estranhos (Figura 5).

Figura 5 - Imagem de ultrassom demonstrando o artefato de reverberação visto com o metal como um corpo estranho. A ponta da agulha é mostrada (seta amarela) com o artefato de reverberação em profundidade (setas azuis).


Madeira

A madeira inicialmente parece hiperecóica, mas tende a se tornar mais hipoecóica com o tempo. O próprio corpo estranho pode se tornar um pouco menos conspícuo; no entanto, o tecido reativo em torno dele tende a se tornar mais proeminente. A madeira tende a ter uma quantidade razoavelmente grande de sombra posterior (Figura 6).

Figura 6 - Ultrassonografia demonstrando a aparência de uma pequena lasca de madeira (seta vermelha) posicionada contra os tendões flexores profundos e superficiais dos dedos (vistos no eixo curto). Ambos edema de tecido reativo (setas amarelas) é visto, bem como sombra posterior (setas azuis). Nesse caso, a lasca estava presente há várias semanas e observe que o próprio corpo estranho de madeira é relativamente hipoecóico.


Vidro

O vidro geralmente parece hiperecoico com uma quantidade relativamente pequena de reverberação posterior (Figura 7).

Figura 7 - Ultrassonografia demonstrando o aspecto de uma pequena lasca de vidro (seta amarela). Observe que há uma combinação de um pequeno grau de artefato de reverberação e sombreamento (setas azuis). O artefato de reverberação (visto melhor logo abaixo da lasca de vidro dentro do círculo anecóico) é muito menor do que o visto com metal. O sombreamento posterior é significativamente menor do que normalmente visto com madeira.


O ultrassom pode ser usado para auxiliar na orientação da agulha quando a remoção percutânea do corpo estranho for desejada. Isso permite a visualização simultânea da agulha e do corpo estranho em tempo real. Geralmente, é melhor abordar esse procedimento com a agulha no plano em relação à orientação do transdutor.


#fisiatria #medicinaesportiva #ultrassom #procedimentoguiadoparador #dor


Referência bibliográfica:

Strakowski, JA. Introduction to Musculoskeletal Ultrasound - Getting Started. Demos Medical, New York, 2016.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Todos os Direitos Reservados ©2019 by medicofisiatra.com.br. Para uso de algum dos conteúdos entrar em contato conosco.